blog saudedaigreja

Itens filtrados por data: Outubro 2016
Segunda, 31 Outubro 2016 16:17

A soteriologia dos reformadores

Sem dúvida a data de 31 de outubro de 1517 é de grande transcendência na história universal. A Reforma exaltou verdades bíblicas que formam o sustentáculo de nossa evangelização. De uma maneira e outra, todos os cristãos evangélicos são herdeiros da Reforma. Embora tenha sido um movimento de profundas repercussões culturais, sociais e políticas, é de bom alvitre agarrarmo-nos aos fundamentos teológicos desta mensagem e, de maneira particular, à soteriologia* dos reformadores. Para cumprir esse propósito, recorreremos a quatro grandes postulados da Reforma: Sola Gratia, Solo Christus, Sola Fide e Sola Scriptura. 

Só a graça 
Ensinam os reformadores que o pecador é justificado unicamente pela graça de Deus, mediante a fé em Jesus Cristo. Neste caso, a graça é o favor divino que o homem não merece, mas que, em sua soberania e bondade, Deus quer dar-lhe. A salvação é obra de Deus, não do homem. Paulo diz: “Pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto [a salvação] não vem de vós, é dom de Deus; não [vem] de obras, para que ninguém se glorie” (Ef 2.8-9). Em outra Epístola, o apóstolo explica: “Se é pela graça, já não é pelas obras; do contrário, a graça já não é graça” (Rm 11.6). 

O homem estende a mão vazia para receber, não a mão cheia para oferecer. Não tem nada a oferecer em troca de sua salvação. Tampouco pode cooperar com a graça divina para salvar-se. Está morto em seus delitos e pecados. Somente se dispõe a receber o favor de Deus. 
O conceito de só pela graça é um golpe mui severo ao orgulho humano. Aqui não há lugar para a auto-suficiência, nem para a arrogância do que pretende salvar-se a si mesmo e a outros, mesmo por meio de esforços que aos olhos da sociedade parecem mui nobres e heróicos. 

Deus é sempre ‘o Deus de toda a graça’(1 Pe 5.10). A salvação sempre foi, é e sempre será pela graça. Mas esta graça vem em plenitude na pessoa de Jesus Cristo (Jo 1.17). Cristo é o dom inefável de Deus ao mundo. O homem pode salvar-se em Cristo, não à parte de Cristo. 

Só Cristo 
A mensagem dos reformadores era cristológica e cristocêntrica. Assim deve ser a nossa. Jesus declarou: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai senão por mim” (Jo 14.6). E, segundo o apóstolo Pedro, “não há salvação em nenhum outro, porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos” (At 4.12). 

Compete-nos escutar de novo estas declarações que se opõem radicalmente a todo intento sincretista ou universalista. Gostemos ou não, o evangelho neotestamentário é inclusivo e exclusivo. Inclui todos que recebem a Jesus Cristo como único mediador entre Deus e os homens, e exclui todos que resistem à graça de Deus. Não nos cabe incluir o que Deus não incluiu, nem excluir o que Ele não excluiu. 

Só Cristo salva. Mas, qual Cristo? Definitivamente não se trata aqui do Cristo dos dogmas de feitura puramente humana, nem do Cristo da imaginação antiga e moderna, nem do Cristo do folclore latino-americano, nem do Cristo superstar das sociedades opulentas do norte, nem do Cristo dos poderosos interesses econômico-sociais em nosso continente, nem do Cristo dos ideólogos de última hora. O Cristo que salva é senão aquele que é revelado nas Escrituras. 
O Cristo revelado nas Escrituras é o Cristo Deus — o Logos eterno, associado eternamente com o Pai e com o Espírito, criador e sustentador dos céus e da terra, o Senhor da vida e da história, o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, o “que é, que era e que há de vir”, o Todo-poderoso Senhor. 

O Cristo revelado nas Escrituras é o Cristo histórico — manifestado no tempo e no espaço, em data precisa do calendário de Deus, na plenitude da história humana, no contexto de uma geografia, de um povo, de uma cultura, de uma sociedade. 

O Cristo revelado nas Escrituras é o Cristo humano — engendrado pelo Espírito, concebido pela virgem Maria, participante de carne e sangue, “feito carne”, identificado plenamente com a humanidade. 

O Cristo revelado nas Escrituras é o Cristo profeta — o arauto de Deus Pai, intérprete da Divindade, revelador da vontade divina para seu povo e para toda a humanidade. 
O Cristo revelado nas Escrituras é o Cristo sacerdote — o que está sentado à direita da Majestade nas alturas e “também pode salvar totalmente os que por Ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles” (Hb 7.25). 

O Cristo revelado nas Escrituras é o Cristo rei, que está para vir — o Juiz de vivos e de mortos, o Rei dos reis e Senhor dos senhores, o Cristo da renovação total. 

Só a fé 
A grande descoberta do frade Martin Lutero nas Escrituras foi que “o justo viverá por fé” (Rm 1.17). Essa verdade bíblica chegou a ser um grito de batalha na Reforma. 

A fé é a mão que recebe a dádiva de Deus em Jesus Cristo. Certamente para o evangelista João, receber a Cristo parece ser um equivalente de crer nele (Jo 1.12). Por meio da fé fazemos nossos os benefícios de Cristo crucificado e ressuscitado. É nesses benefícios que descansa nossa segurança eterna de salvação. 

A fé mediante a qual somos justificados não é cega, não é mera credulidade. Tampouco é a fé um mero assentimento à verdade revelada. É muito mais que um mero exercício intelectual. Ter fé é confiar, é abandonar-se nas mãos de Jesus Cristo, reconhecendo a enormidade de nossa culpa e a totalidade de nossa incapacidade para libertar-nos por nós mesmos do pecado. É admitir que os méritos humanos são inúteis para fins de justificação. É lançar mão do valor infinito da pessoa e obra do Filho de Deus. Ter fé em Jesus Cristo é deixar-se salvar por Ele. 

A fé implica também obediência. Quando o homem crê que o Evangelho é a verdade, sente-se na obrigação de obedecê-lo. Segundo a doutrina da Reforma, o pecador é justificado só pela fé, mas a fé que justifica não permanece só. Não é uma fé estéril, muito menos morta. O ensino de Tiago (2.14-26) se harmoniza plenamente com o ensino de Paulo, o qual afirma que não somos salvos por obras, mas sim, para obras que Deus “de antemão preparou para que andássemos nelas” (Ef 2.10). Estas boas obras são o fruto da salvação, não a causa dela. 

Crer em Jesus Cristo significa, além do mais, entrar em sério compromisso com Ele, com sua Igreja e com a sociedade. Não aceitamos Jesus Cristo para evadir nossas responsabilidades morais e viver como nos agrada, depois de haver adquirido uma apólice de seguro para a eternidade. No Evangelho há reclamos de caráter ético. 

Jesus teve o cuidado de advertir as multidões sobre as dificuldades do caminho que Ele lhes propunha. Não guardou silêncio sobre as exigências do discipulado. Ninguém poderia queixar-se de que Ele lhes enganara com a oferta de uma “graça barata”. Seu interesse estava na qualidade, não na quantidade de seus seguidores. 

Só a Escritura 
Aceitaram os paladinos da Reforma a autoridade suprema das Escrituras, não só no que diz respeito à doutrina da justificação pela fé. Eles determinaram submeter sua fé e sua vida ao ditame final do cânon bíblico, e não a outra autoridade, fosse a do magistério eclesiástico, ou a da razão natural, ou a dos impulsos do coração. Aceitaram e proclamaram as Escrituras como sua norma objetiva e final. Foi fundamentalmente por essa declaração que os reformadores e a Igreja oficial daqueles tempos dividiram seus caminhos. 

Nessa transcendental decisão, os reformadores não fizeram mais do que continuar uma longa tradição que vem desde os tempos do Velho Testamento e desde os dias de Cristo e seus apóstolos. Os profetas apelaram para a lei escrita como sua autoridade final. Cristo autenticou seu ministério ante o povo com a lei de Moisés, os profetas e os Salmos (Lc 24.44). Os apóstolos também se apoiaram na autoridade do Antigo Testamento. A Igreja antiga aceitou ambos os Testamentos e teve assim um cânon mais extenso ao qual apelar para suas decisões de fé e prática. Os reformadores fizeram que o “Assim diz o Senhor” e o “Está escrito” ressonassem poderosamente no âmbito da cristandade ocidental. 

Através dos séculos o princípio da Sola Scriptura tem sido ameaçado e desafiado pela razão natural, pelo sentimentalismo pietista, pela pressão eclesial (católica e protestante), ou pela presunção de líderes que se creem superdotados para impor ao povo de Deus seu sistema privado de interpretação. 

Os reformadores advogaram não a livre interpretação, mas o livre exame das Escrituras. O sacerdócio universal dos crentes — outra das grandes doutrinas exaltadas pela Reforma — não autoriza a ninguém torcer e retorcer o texto bíblico. 

Se não acatarmos a norma objetiva das Escrituras, se não nos submetermos ao senhorio de Cristo, se não estivermos em sintonia com o Espírito Santo, se nos distanciarmos da comunidade da fé — seremos presa fácil do subjetivismo, ou do relativismo, ou poderemos cair ingenuamente na trama de uma ideologia, não importa de que cor seja ela. 

*Nota da redação: Soteriologia é o ramo da teologia que trata da salvação, da obra de Cristo. Tratado teológico que tem como objeto a redenção do homem.

Texto adaptado a partir da mensagem de abertura do Segundo Congresso Latino-americano de Evangelização — Clade II — no dia 31 de outubro de 1979, por ocasião do 462º aniversário da Reforma Protestante. A mensagem na íntegra foi publicada na edição de março de 1980 e esta adaptação na edição 255 da revista Ultimato.

Emilio Antonio Nuñez Castañeda (1923 – 2015) é um dos mais conhecidos teólogos da América Latina. Nascido em El Salvador, fundou e foi reitor do Seminario Teológico Centroamericano, na Guatemala, e também um dos fundadores da Fraternidade Teológica Latino-americana – FTL.

 

Fonte: Ultimato Online, 26 de outubro de 2016.

http://www.ultimato.com.br/conteudo/a-soteriologia-dos-reformadores-sola-gratia-solo-christus-sola-fide-e-sola-scriptura

Publicado em Saúde da Igreja
Segunda, 24 Outubro 2016 16:48

Orando em Família 2017

Devocional
Orando em Família 2017 – volume 19
A acolhida graciosa do corrupto

Em 2017 teremos meditações sobre os 500 anos da Reforma (com a história e o contexto importantes de Lutero e os reformadores evangélicos). O tema central será “A acolhida graciosa do corrupto” – baseado no encontro de Zaqueu com Jesus. Algo importante para todos nós refletirmos, diante da situação brasileira atual, fazendo referência bíblica à justificação por graça e fé.
Ele chega com preços mais competitivos, algumas alterações editoriais, mas seu conteúdo e qualidade mantém seu padrão que o consagrou. O trabalho de edição continua sendo do pastor Martin Weingaertner. Em suas palavras:
“Quem não anseia por uma mão amiga ao enfrentar dificuldades? A criança deseja o colo da mãe; o adolescente, o abraço do pai; o adulto, o apoio dos amigos e a compreensão dos colegas!
Estender a mão a quem passa necessidade é um gesto gracioso que fortalece o vínculo e cria comunhão. Não há vida saudável sem essa mutualidade. Onde ela falta, definhamos no isolamento.
No entanto, somos seletivos na hora de fazê-lo: amamos quem nos ama; fazemos o bem àqueles que são bons para nós e emprestamos a pessoas de quem esperamos retribuição… (Lc 6.32s.).
É exatamente nisso que o Deus Eterno se distingue de nós, pois ele acolhe quem é seu inimigo declarado. Por isso Jesus importou-se com Zaqueu e intercedeu por seus carrascos. A Bíblia afirma que quando éramos inimigos de Deus fomos reconciliados com ele mediante a morte de seu Filho (Rm 5.10). Ninguém está atolado demais para que Jesus Cristo – a mão estendida de Deus – não possa resgatá-lo. Sim, Deus acolhe o corrupto!”
O Orando em Família é preparado em dois formatos (grande e de bolso), trazendo meditações diárias preparadas com cuidado e atenção. Tendo conquistado vários prêmios desde 1999, o Orando também estará disponível em formato de aplicativo a partir de 2017.

Ficha técnica
Título: ORANDO EM FAMÍLIA 2017
Subtítulo: A acolhida graciosa do corrupto
Editor: Martin Weingaertner
Páginas: 384
Formatos:
grande 13,5x21cm 
de bolso 10,5x15cm

Compre pelo site:

http://www.orandoemfamilia.com.br

Publicado em Saúde da Igreja

Após muita expectativa, a Editora Esperança iniciou a publicação para a igreja brasileira desta que é uma das mais importantes obras da teologia europeia (desde a Alemanha) no contexto evangélico: O Comentário Esperança do Antigo Testamento.

O primeiro livro da Bíblia publicado é o de Gênesis, dividido em dois volumes:

Comentário Esperança – Antigo Testamento
Gênesis – volume 1
Gênesis – volume 2

Alcançamos um grande público com os 15 volumes que compõem a coleção completa do Novo Testamento e, agora, iniciamos a publicação dos 23 volumes que irão compor os comentários para os 39 livros do AT.

A coleção “Wuppertaler Studienbibel” é uma série voltada para a igreja que lê a Bíblia. Ela parte do princípio de que a Bíblia é a Palavra de Deus, anotada e transmitida por pessoas. Ou seja: seus comentários precisam fazer justiça a esse caráter duplo da Escritura Sagrada.

Uma interpretação adequada olha para trás, pesquisando a História e mantem-se aberta ao fato de que Deus trabalha na e por meio da Palavra na vida do leitor e ouvinte. Mas todo o trabalho histórico e teológico com o texto não passa de obra “preparatória”. A real obra é feita pelo próprio Deus. Por isso, uma coisa não pode faltar durante todo o trabalho de interpretação: a oração. Oração durante a leitura, a interpretação e a verificação da interpretação à luz da própria Escritura. Quando isso acontece, escancara-se a porta aos novos conhecimentos e compreensões da revelação divina e da vontade de Deus.

A edição em português dos Comentários Esperança – Antigo Testamento investiu na qualidade da tradução e revisão, para apresentar um trabalho primoroso e edificante aos leitores.

O autor, Dr. Hansjörg Bräumer, é teólogo, professor do Antigo Testamento, pastor e conselheiro em Lobetal (Celle - Alemanha). https://de.wikipedia.org/wiki/Hansjörg_Bräumer

Mais informações:
www.comentarioesperanca.com.br
www.facebook.com/comentarioesperanca
www.editoraesperanca.com.br/loja/comentario-esperanca/comentario-esperanca-at

Publicado em Saúde da Igreja

Newsletter Saúde da Igreja

Cadastre-se e receba nossa newsletter

Redes Sociais

 

Posts Populares

  • 1

Buscar no blog